Skip to content
Vila Prudente, Zona Leste, SP: nos trilhos da valorização PDF Imprimir E-mail
Ter, 23 de Fevereiro de 2010 11:42

Além do significado de que se reveste para a mobilidade dos habitantes da região, a chegada dos equipamentos e serviços urbanos da importância de linhas e estações do Metropolitano (metrô) valoriza os imóveis locais, uma vez que maior comodidade para ir e vir provoca significativo aumento da demanda por moradia. Assim é que a compra, hoje, de um imóvel na Vila Prudente,  Zona Leste da capital paulista, pode significar uma economia de 20% em futuro próximo.

Quem adquiriu imóvel no bairro há dois anos já lucrou cerca de 40%. Em meados de 2008, com as primeiras notícias de que a Linha 2/Verde do metrô chegaria à Vila Prudente e, a partir da estação a ser inaugurada no bairro, teria um prolongamento até Cidade Tiradentes, os preços dos imóveis iniciaram a escalada da valorização, que neste começo de 2010 se mostra em 40%, relativamente aos preços praticados em janeiro de 2008.

De acordo com a gerente de vendas da unidade Moóca/Vila Prudente da Lello Imóveis, Elaine Regina Baiter, a inauguração (prevista pelo governo do Estado para o decorrer de 2010) da estação do metrô no bairro, bem como o prolongamento da linha até Cidade Tiradentes deverão impulsionar nova valorização.

“Com a inauguração das benfeitorias, acredito que a valorização cresça outros 20%, assim como acredito que, naquele momento, o mercado ofertador se acomodará. Hoje, em alguns bairros da Zona Leste localizados no contexto de Vila Prudente, porém distantes da futura estação, há imóveis ofertados a preços irreais. É necessário entender que a valorização se concentra próximo à futura estação, e irradia para o entorno imediato. O que se distancia desta realidade é especulação”, opina Elaine Baiter.

A gerente de vendas da Lello comenta que outro fator pesa nas negociações de venda e compra de usados: “Na região, há muitos imóveis com documentos irregulares, o que implica em certa demora para concretizar a venda. Temos clientes que fecharam negócio em uma semana, e outros que esperaram seis meses, por conta de documentação. Quando tudo está em ordem, o negócio acontece no curto prazo”, diz a gerente.

Escalada da valorização – Informações levantadas junto aos órgãos que operam no setor imobiliário paulistano (Creci, Secovi, Embraesp) mostram que a valorização dos imóveis em Vila Prudente segue uma escalada histórica.

Em bairros paulistanos onde foram construídas estações do metrô, a média histórica da valorização de imóveis inicia em 4%, por conta dos “ruídos” sobre a chegada da benfeitoria; com o anúncio oficial, eleva para 10%; caminha para 30% a 40% quando as obras iniciam; e recebe novo impulso imediatamente após o sistema entrar em operação.

A futura dinâmica da mobilidade – Além da Vila Prudente, o governo paulista promete inaugurar outra estação – a Tamanduateí – para a Zona Leste, ainda em 2010.

Quando tal ocorrer, os usuários da Linha 2/Verde do metrô poderão se conectar gratuitamente com a Linha 10/Turquesa, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (Cptm), que liga o ABC (Santo André, São Caetano, São Bernardo) ao centro da capital paulista.

Também em 2010, conforme promete o governo paulista, a Linha 2/Verde do metrô paulistano terá uma nova integração. Será na estação Consolação, e integrará com a futura estação Paulista, em construção pelo programa de obras da Linha 4/Amarela.

O governo do Estado promete ainda, para 2010, a execução do primeiro trecho (Vila Prudente/Oratório) da extensão da Linha 2/Verde do metrô. Esta obra teve a licitação embargada, mas, em janeiro último (2010), o Tribunal de Justiça de São Paulo julgou o apelo improcedente, e o processo licitatório foi retomado.

Monotrilho - Prevista com o total de 23,8 km, a extensão da Linha 2/Verde do metrô na Zona Leste

Monotrilho – Prevista com o total de 23,8 km, a extensão da Linha 2/Verde do metrô na Zona Leste é, na verdade, um prolongamento em monotrilho. Quando concluído, o sistema ligará o bairro Cidade Tiradentes à Estação Vila Prudente, onde fará a conexão do sistema metro-ferroviário com o Expresso Tiradentes. De acordo com o governo do Estado, o organograma e o cronograma da obra são os seguintes:

Trecho 01 – Vila Prudente/Oratório: 2,4 km, duas estações, seis trens. Previsão para conclusão do trecho: dezembro de 2010.

Trecho 02 – Oratório/São Mateus: 10,4 km, sete estações, mais 19 trens. Previsão para conclusão do trecho: segundo semestre de 2011.

Trecho 3 – São Mateus/Hospital Cidade Tiradentes: 11 km, mais 29 trens, (o sistema totalizará 54 trens). A capacidade mínima de cada trem será de um mil passageiros. Previsão para conclusão do trecho: segundo semestre de 2012.

O sistema monotrilho, que segundo o governo do Estado terá capacidade para transportar 500 mil passageiros/dia, prevê conexões: em São Mateus, com o Corredor Metropolitano Santo André, São Bernardo, Diadema (ABD), da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (Emtu); com o Expresso Tiradentes; e com a futura Linha 15/Branca do Metrô.

Segundo cálculos da Companhia do Metropolitano de São Paulo, concluída a expansão o trajeto entre Sacomã e Cidade Tiradentes – atualmente exigindo cerca de duas horas, será feito em 50 minutos.

O atendimento, hoje – Atualmente, a recém-inaugurada estação Sacomã é o extremo Leste da Linha 2/Verde do metrô paulistano. Seu percurso passa sob as Avenidas Paulista e Dr. Arnaldo, para encontrar o extremo oposto, que é a Estação Vila Madalena, na Zona Oeste da cidade de São Paulo.

Incluindo o trecho liberado com a inauguração da Estação Sacomã, a Linha 2/Verde do Metrô possui 11,7 km em operação comercial (Vila Madalena/Sacomã). Faz conexão com a Linha 1/Azul nas estações Paraíso e Ana Rosa.

O deslocamento numa região com 4,5 milhões de habitantes – São Miguel Paulista, o primeiro bairro da Zona Leste paulistana, nasceu em 1622, quando os jesuítas e os habitantes originais – índios da tribo Guainaz ergueram a Capela São Miguel Arcanjo.

Enquanto muita água do Rio Tietê rolou sob (e sobre) as pontes, em paralelo outra enxurrada aconteceu. A região chega aos nossos dias com 4,5 milhões de habitantes (mais de 1/3 da população da cidade), que ocupam 22% do território do município.

No texto da resolução que criou (23, junho, 2009), na Assembléia Legislativa paulista, a Frente Parlamentar pelo Desenvolvimento da Zona Leste, há dados revelando que ali exercem as suas funções somente 8% dos trabalhadores empregados, moradores na região.

O deslocamento destes trabalhadores se dá para o Centro Sul da capital (Jabaquara, Cidade Vargas e cercanias); para municípios vizinhos do Alto Tietê (Guarulhos, Santa Isabel. Salesópolis – berço do Rio Tietê, Guararema etc.); e para a região do ABC (Santo André, São Bernardo, São Caetano), ao Sul.

De acordo com o texto da resolução que criou a Frente Parlamentar pelo Desenvolvimento da Zona Leste a porção ocupada pela região administrativa municipal que inclui Vila Prudente está entre as mais desenvolvidas, “com melhor urbanização, verticalização e infra-estrutura”.

Imagem: o monotrilho utilizado para ilustração da chamada de capa e da matéria é modelo de soluções do gênero, utilizado na Europa e na Ásia. A escolha do modelo brasileiro depende da licitação em curso.

http://www.sindicotv.net/index.php/vila-prudente-zona-leste-sp-nos-trilhos-da-valorizacao/

 
Últimas no Site

Pesquise no site

CANAIS DO MANDATO

Buzz